Diretor da Fetranslog-NE e Presidente do SETCARCE da entrevista ao Portal Ootimista

Fala sobre os desafios da atividade no Brasil e Ceará dá uma visão realista da logística no País, atividade que tem desafios importantes a serem superados, a fim de que o Brasil não fique estagnado.

Com décadas de experiência em logística, o presidente do Setcarce – segundo sindicato mais antigo do setor em atividade no País – fala sobre os desafios da atividade no Brasil e Ceará.

Para ele, um novo modelo de transporte é necessário, algo que passa pela integração dos modais e investimentos em energia limpa, com destaque para o hidrogênio verde.

Marcelo Maranhão tem experiência de décadas em logística no Brasil. Atualmente cumpre mandato na presidência do Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas e Logística no Estado do Ceará (Setcarce), o segundo mais antigo do setor em atividade no Brasil. Também é vice-presidente extraordinário para o transporte de granéis e sólidos da NTC&Logística.

Toda essa experiência lhe dá uma visão realista da logística no País, atividade que tem desafios importantes a serem superados, a fim de que o Brasil não fique estagnado.

Em entrevista ao O Otimista, ele aponta problemas e sugere possíveis soluções para o setor, estratégico também para a economia cearense, principalmente neste momento de atração de novos investimentos ao Estado.

O Otimista: Vamos começar falando sobre os 80 anos do Setcarce, um dos principais sindicatos patronais do setor. O que tem programado para comemorar essa data?

Marcelo Maranhão: O Setcarce completa agora, no dia 13 de abril, 80 anos de fundação. É o segundo sindicato no segmento de transporte mais antigo em funcionamento no Brasil. Todos os meses, nós teremos eventos destinados aos associados e não associados. Fóruns de RH, discussões tributárias, discussões sobre o custo do transporte e dois grandes eventos. Um será a festa dos 80 anos, em que o Setcarce vai premiar algumas autoridades com o Prêmio Otacílio Correia. O prêmio foi criado em 2009 para homenagear pessoas que trabalharam pelo transporte de carga. O segundo evento será em novembro, com a Expolog. Iremos fazer um movimento diferenciado do que fizemos nos outros anos. Ao contrário do que imaginávamos no contexto da pandemia, o evento cresceu, tomou proporção internacional.

O Otimista: Quais foram as mudanças que a pandemia impôs ao setor de logística?

Marcelo Maranhão: Mudou por completo a forma de fazer logística no mundo. Não só no Brasil, não só no Ceará. As novas tecnologias aplicadas na programação, na logística, no transporte rodoviário. Além do problema criado pela pandemia no mundo todo, principalmente nos portos. Então, é necessário fazer um novo modelo de logística. O mercado de logística absorveu bem esse novo modelo de transporte.

O Otimista: Mais de 70% das cargas movimentadas no País são no modal rodoviário, o que torna o Brasil dependente das estradas. Esse modelo precisa mudar mais rapidamente e com a inserção de outros modais?

Marcelo Maranhão: Vai mudar. Aliás, já está mudando com a abertura do novo modelo da BR do Mar, permitindo que empresas internacionais invistam na cabotagem no Brasil. Esse modal deve ter um crescimento grande nos próximos cinco ou dez anos. Além disso, o Ministério da Infraestrutura tem feito um esforço para melhorar a condição ferroviária. O transporte rodoviário vai ser prejudicado com isso? Não. Caminhão não foi feito para rodar trechos de 3 mil quilômetros. Nós pegamos um caminhão no Ceará e vamos até o Rio Grande do Sul. O ideal para o caminhão é que ele trabalhe na faixa de até 800 quilômetros. Para isso, os modais são complementares. Nada melhor do que o casamento cabotagem e transporte rodoviário. Aí nós teremos um transporte bem mais eficiente e bem mais barato. Aí ganha o embarcador, o transportador e o consumidor.

O Otimista: Quanto à BR do Mar, apesar de termos mais de 2 mil quilômetros de litoral, também temos uma área muito maior ainda no interior do Brasil. Essa BR do Mar também contempla a navegação fluvial dos rios que são navegáveis no País?

Marcelo Maranhão: No primeiro momento, ela contempla a Bacia Amazônica. Acreditamos que, posteriormente, a gente consiga interligar a Bacia do Sudeste. Mas a interiorização vai acontecer com mais força com a ferrovia, na longa distância, e com a rodovia na curta e média distância. Essa é a integração dos modais que deve acontecer. No caso do Ceará, a Transnordestina tem que sair, tem que funcionar, interligar toda aquela região produtora agrícola do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. E trazer essa safra para ser escoada através do Porto do Pecém. E o sentido inverso, principalmente na carga fracionada para o comércio, indústria… Aí, sim, entra o modal rodoviário. Porque vai entregando de cidade em cidade, ponto em ponto, empresa por empresa. Aí os modais vão se conversando, porque o ferroviário e o marítimo não chegam em todo canto, mas o rodoviário chega.

O Otimista: Além dessa ressignificação de haver mais possibilidades de conexão, diminuir as distâncias dessas viagens de caminhão, quais outras principais mudanças que o setor deve passar, principalmente, na questão do hidrogênio verde e de outras fontes menos poluentes?

Marcelo Maranhão: O setor de logística é muito receptivo a alterações. Vai levar algum tempo para que a indústria produza os equipamentos, no caso, os caminhões para utilizarem o hidrogênio verde. Nós já temos exemplos de caminhões de fora de estrada, que trabalham em minerações, funcionando com hidrogênio verde. O modal de combustível fóssil naturalmente vai se esgotando. E vamos ter dois modais. Um deles, que pra nós é ideal pela nossa capacidade de produção, é o hidrogênio verde. O outro é o elétrico.

O Otimista: Sobre o Custo Brasil, quais são os principais entraves para que se diminua o preço da logística?

Marcelo Maranhão: O primeiro é combustível. Nós não temos eficiência no transporte. Nós temos uma frota já um pouco ultrapassada, com alto consumo, principalmente em relação ao autônomo. Ainda temos uma grande parcela do transporte rodoviário feito por autônomos agregados às empresas. Mas nós precisamos de um programa de fornecimento de combustível. Não sabemos quanto vai custar o combustível amanhã. Essa insegurança é que complica a vida do empresário do transporte autônomo. Isso reflete diretamente no embarcador e consumidor final.

O Otimista: Em relação à peleja entre governadores e governo federal quanto ao ICMS sobre combustíveis, a decisão a respeito o congelamento influi tanto assim no preço final ou o que complica mesmo é essa política de preços da Petrobras?

Marcelo Maranhão: Em média, o ICMS sobre o combustível no Brasil está em 28%. Pagar 28% de imposto de circulação num produto que julgamos ser essencial para o País é altíssimo. Aí vem a política da Petrobras, que, no meu entender, não é correta. Combustível é material essencial para o funcionamento do País. Não pode ser política de governo. É preciso que as partes busquem uma solução definitiva e duradoura na política de preços dos combustíveis. Você não pode acordar e o combustível ter subido 8%, 10%.

O Otimista: Agora vamos falar dos fatores locais…

Marcelo Maranhão: O transporte se mede por eficiência. No Ceará, nós temos uma situação de uma malha viária bem melhorada. O principal corredor logístico no Ceará é o Anel Viário, que faz a interligação dos dois portos: Mucuripe e Pecém, permitindo também a interligação das regiões Norte e Sul do Estado. Nós estamos há 12 anos na construção desse Anel Viário. Precisamos resolver isso em definitivo, inclusive, acabando com insegurança do tráfego no local. Todo dia, vemos acidente no Anel Viário, muitas vezes com mortes. Isso é inadmissível. Na mesma situação do anel viário, nós temos a CE-155, ligação da BR-222 com o Porto do Pecém.

O Otimista: Qual o problema dessa rodovia?

Marcelo Maranhão: A gente precisa pontuar que a cereja do bolo da logística do Ceará é o Porto do Pecém. Nós temos um projeto de 10, 15 anos atrás que não está pronto. Não foi aplicado. E já não atende mais às necessidades do porto. Um exemplo: quando começamos a construção dessa rodovia, as pás eólicas que são produzidas na região do entorno do Porto do Pecém mediam 36 metros. Hoje já temos pás medindo 109. Estamos com um projeto de rodovia que está atrasado e estamos construindo uma coisa que já não atende. É como dar uma vacina que já não vai funcionar. É preciso rever esse projeto.

O Otimista: A Câmara Setorial de Logística, da qual o senhor também faz parte, já está fazendo uma articulação ligada a essa questão?

Marcelo Maranhão: Aí entra a história da pandemia. Durante esse período da crise sanitária, dificultou um pouco esse trabalho das câmaras de modo geral. Mas a Câmara de Logística vem trabalhando com força em cima disso. A gente tem um apoio grande da Adece. O problema é que as questões são muito maiores, não depende exclusivamente da Adece, não depende exclusivamente do Governo do Estado. Tem que pegar todos os anuentes: embarcador, transportador e governo, sentar e definir os projetos. Mas isso vem melhorando. Você vê o próprio Anel Viário, que não está em situação ideal, deixa muito a desejar, mas melhorou muito nos últimos três, quatro anos.

Fonte: Ootimista

Este conteúdo é útil para você?