Operação de radares da Via Costeira será iniciada até o começo de agosto no (RN)

O objetivo é reforçar essa necessidade do cidadão respeitar os limites de velocidade.

Os radares instalados na Via Costeira devem entrar em operação entre o fim de julho e o começo de agosto. A previsão é do engenheiro do setor de operações do Detran, José Adécio Filho. Segundo o engenheiro, são 14 radares instalados em diferentes faixas de rolamento da via estadual. Todos eles já estão conectados à internet e energia elétrica. A principal pendência é a aferição feita pelo Instituto de Pesos e Medidas do Rio Grande do Norte (Ipem-RN), para atestar a segurança do equipamento. O Detran também aguarda a finalização da sinalização.

“Nossa perspectiva é que do final de julho para o começo de agosto, esses radares estejam em operação. Os radares da Via Costeira já estão com internet e com energia elétrica. Mas, antes do radar estar funcionando, eles têm que estar aferidos. Isso demora um tempo que a gente não tem como controlar, porque são órgãos de terceiros”, afirma o engenheiro.

De acordo com Filho, resta também a conclusão das placas de sinalização. “Eles só vão ser colocados em funcionamento para autuação quando toda a sinalização estiver completa, e hoje não está ainda”. O engenheiro se refere à placa de limite de velocidade, e a placa que informa que em alguns pontos específicos da via haverá fiscalização eletrônica.

Dos sete pontos de radar na Via Costeira (com uma dupla de radares para os dois lados), três pontos terão um limite de velocidade de 70 quilômetros, e um será de 50 quilômetros. A fiscalização mais rígida, com menor limite, será na altura do Hotel Pirâmide, considerado um ponto crítico para o Detran.

“Se coloca o radar para proteger o ponto crítico, para forçar o cidadão a reduzir a velocidade, e o ponto crítico é a curva do Hotel Pirâmide. Então eu vou colocar exatamente ali perto do posto de gasolina, na saída de Mãe Luíza, e perto do Hotel Marsol”, explica José Adécio Filho.

A instalação dos controladores eletrônicos de velocidade obedece a critérios estabelecidos pelo Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAM). “Para cada radar é necessário fazer um estudo técnico. É a resolução do CONTRAM que solicita isso, vendo o número de acidentes, número de acidentes fatais, a condição da via, a quantidade de carros que trafegam naquela vida”, exemplifica o engenheiro. “Então a gente faz um levantamento desse histórico de acidentes, e com isso decide colocar os radares ou não”.

Segundo Filho, o órgão também está fazendo campanhas de alerta aos motoristas que trafegam pelas vias estaduais que ganharão novos radares. Quando o funcionamento estiver em voga, todos os locais serão informados também no site.

“A gente está fazendo ações educativas principalmente na Via Costeira e na João Medeiros, que são nosso foco de ações”. O objetivo é “reforçar essa necessidade do cidadão respeitar os limites de velocidade”. Outro alerta feito pelo Detran é da possibilidade de multa, em caso de infração.

O Departamento também colocará todos os pontos de fiscalização em seu site, quando o funcionamento iniciar. “Ou seja, o cidadão que tiver interesse vai poder adentrar no site do DETRAN no dia que começar a funcionar, e visualizar onde estão localizados esses radares”, diz. “A pessoa que respeita, que segue as regras de trânsito, não vai ter nenhum problema. Aquele que não respeita, que não segue as regras, é que vai ter problema”, avisa Filho.

 

Sem radares há 10 anos

 

A instalação dos novos radares representa a volta da fiscalização eletrônica à Via Costeira após 10 anos. Segundo José Adécio Filho, isso aconteceu por “alterações nas normas e legislação de trânsito feitas no decorrer dos anos”, que impediam a chegada de novos aparelhos.

“A cada alteração realizada [nas normas] era necessário modificar o termo de referência e reiniciar a tramitação administrativa necessária e exigida na Administração Pública”, explica. Enquanto isso, outras alternativas foram buscadas na engenharia de trânsito para diminuir os acidentes no local.

O Detran, de acordo com Filho, já reforçou a sinalização em outros momentos e também pintou as Linhas de Estímulo à Redução de Velocidade (LRV). Esse modelo é uma série de linhas paralelas na horizontal que produzem um efeito visual para induzir o motorista a reduzir a velocidade do carro ou moto. Sem o resultado desejado, o próximo passo foi buscar novamente a instalação de radares para resolver a questão.

Outros pontos de instalação de controladores eletrônicos de velocidade são as avenidas Doutor João Medeiros Filho, Engenheiro Roberto Freire, prolongamento da Prudente de Morais e Rota do Sol, totalizando 76 radares. O investimento é de R$ 2,4 milhões/ano. O valor contempla a fabricação do equipamento e o pagamento do licenciamento, já que é gerenciado por um software eletrônico. Todos os pontos devem estar em funcionamento até setembro.

 

Fonte: Tribuna do Norte

Este conteúdo é útil para você?